18 de abr de 2007

Carta aberta ao governador do Estado do Rio de Janeiro.


" Caro governador,


Sou Oficial da Policia Militar, noivo de uma policial militar. Filho de militar.

Li estupefato no JB declarações do senhor dizendo que o efetivo da Policia Militar estava de "corpo mole" ou "boicotando" no combate ao crime por que o senhor não concedeu melhorias salariais para a nossa corporação.
Li também que o senhor pediu o auxílio das Forças Armadas para "mexer com os nossos brios" e como maneira de minorar o clima de guerra civil em que nos encontramos.
Não sei por quem o senhor é assessorado no que diz respeito aos assuntos da Policia Militar.
Lendo as declarações do senhor, duvido que tenha conhecimento do que se passa entre a nossa tropa. Quem boicota quem, senhor governador?
O seu Secretário de Segurança, em visita aos nossos Batalhões, por exemplo, foi convidado a visitar um de nossos alojamentos. Ele negou-se a entrar. Talvez com medo das condições sanitárias que encontraria pelo fato de nossos quartéis estarem ZERADOS de recursos financeiros.
Quem boicota quem, senhor governador?
Nossos policiais militares morrem diuturnamente sendo caçados pela criminalidade quando de folga. O que foi feito até agora?
Um incremento no controle dos disparos por arma de fogo, ou seja, o PM quando sai de serviço hesita em atirar em um criminoso que não hesita nem um pouco em vitimar um chefe da família honrado.
O senhor e seu vice-governador receberam "líderes comunitários" de extensa Ficha de Antecedentes Criminais, inclusive com um deles, o sr. William da Rocinha, preso por nós e captado por escutas da Policia Civil. Creio que eles estão satisfeitos e colaboram com o seu governo.
Quem boicota quem, senhor governador?
Um oficial da PM, cargo de responsabilidade e de nível superior, no seu início de carreira, recebe cerca de R$ 1.100,00. Um soldado da PM recebe menos de R$ 800,00. Este trabalha diariamente na linha de frente e é escalado freqüentemente em serviços extras não-remunerados para particulares. Aquele é responsável por seções administrativas e pela execução operacional do policiamento. Como aquele gerente do Mc Donald's, que, além de organizar tudo ainda fica atrás do balcão vendendo sanduíche.
Quem boicota quem, senhor governador?
Temos um "batalhão de paletó", como ilustra o mesmo JB, com cerca de 5.000, outros dizem 6.000, policiais militares emprestados a outros orgãos da administração estadual. E o senhor cinicamente anuncia concurso para aumento do efetivo porque nós "gostamos de sombra e água fresca no interior" como "O Globo" publicou.
Digo cinicamente porque o senhor é que é responsável pela adição destes policiais aos outros órgãos do Estado.
Fugindo um pouco do mote, permita-me falar de mim. Minha noiva chega em casa todo dia cansada e deprimida.
Ela tem motivos para ser cínica, pois duvidou de todas as melhorias que o senhor prometeu no início de vosso governo (inclusive as salariais) e o tempo lhe deu razão. Eu defendi o senhor perante ela, dizendo-lhe que era necessário dar tempo a nova administração. Pois bem, temos mais de 100 dias de governo e só vi ataques à PM seja por parte da vagabundagem, seja por parte do senhor e de seu governo, acima elencados. Agora dou-lhe razão.
Nós nos casaremos, mas não pretendemos ter filhos. O sr. Sabe porquê ? Na atual circunstância, temos medo deles ficarem órfãos de mim ou dela. Quem sabe dos dois, se nós formos pegos num assalto como o seu segurança. Para o seu governo, nossos brios já foram mexidos e já foram embora.
O senhor tem em suas mãos uma tropa descrente, desmotivada e estressada. Tem Oficiais desiludidos que, amparados por uma instrução melhor, estão procurando desesperadamente outras colocações no serviço público, largando o que 3 anos de formação numa severa academia militar lhe propiciaram: uma posição privilegiada na hierarquia, e só. Peço-lhe que não tome como verdade o que ouve de Oficiais que estão ao seu lado, no Palácio. Pergunte-lhes, como curiosidade, há quanto tempo eles não vestem o "MUG", nossa farda de combate.
Os policiais militares honestos estão absolutamente cansados de pagar pelos corruptos. Um ex-Governador uma vez nos disse: "Vocês tem uma arma e uma carteira, porque querem aumento?". Hoje em dia ele é execrado e responsabilizado pelos especialistas (e pela História) pela favelização de nosso Estado e, consequente aumento da criminalidade. Estamos vendo o senhor seguindo pelo mesmo caminho. Atacando a nós, policiais militares, e prestigiando "líderes comunitários" em seu palácio e lhes dando, em suas "bases", investimentos bilionários nas favelas.
Quem sabe esse bilhão, ou parte dele, aplicado na segurança pública, aplicado na cidade formal, que paga impostos, aplicado como "investimento" em nossos salários, não daria um efeito melhor, pois, a História já nos mostrou que investir em favelas não dá certo.
Tomara que o senhor esteja certo que as Forças Armadas possam resolver os problemas. Eles têm muito mais tradição militar que nós, seus Oficiais Generais são mais preparados que os Coronéis PM com quem o senhor lida e são mais bem-treinadas até pela natureza aquartelada de seu serviço. A PM também gostaria de uma intervenção militar no Estado. Porém completa.
Para nos livrarmos da égide de parlamentares inimigos a nós como o Sr. Chiquinho da Mangueira, debochado, que pôs em outdoors em toda a capital a sua vitória contra nós.
Quem boicota quem, Senhor governador? Quem boicota quem? "


(recebida por e-mail)

Colaboração : Alexandre, The Great





6 bestaram:

Ricardo Rayol disse...

Caraio dos infernos... fiz um comentário monstro e essa naba não salvou. Em resumo, o caricoa está ferrado abaraçado a esse incompetente do cabaral...

José Alberto Mostardinha disse...

Viva Jorge:

O Estados Gerais solicita o teu prezado comentário a assunto deveras preocupante.
Um abraço,

Serjão disse...

Jorge
Recebi a mesma carta e a divulgarei hoje. Abs

david disse...

Com um salário desses, eu boicotava meu emprego.

Claudio disse...

Vi no Kafé que você tinha uma placa semelhante e vim conferir.

Adorei, a placa e o blog.

abraços

Patacoadas do Cleber disse...

É revoltante mesmo. Se o próprio Estado não tem respeito pelas suas instituições, quem terá. Estou cansado dessas medidas equivocadas dos poderes que tem apenas caráter de promoção. Valeu a divulgação da carta. Ela elucida que o policial é muitas vezes vítima também dessa cruel falta de políticas públicas. Abração e obrigado pelas palavras no meu blog.